domingo, 19 de Outubro de 2014

Aqui há gato!

Aqui há gato !
Baú das pequenas curiosidades

“Portugal é um dos países que cobram mais propinas e dão menos bolsas
Há apenas mais quatro países da União Europeia que obrigam todos os alunos do ensino superior a pagar para estudar.”

Segundo o Relatório "Sistemas Nacionais de Propinas no Ensino Superior Europeu", citado na edição impressa do DN de 19 de Outubro de 2014 :

“Frequentar o ensino superior a tempo inteiro na Dinamarca é garantia quase automática para receber bolsa. Aos alunos basta que preencham os requisitos básicos de desempenho escolar. O mesmo acontece na Finlândia e na Suécia. Mas a Finlândia consegue dar ainda mais benefícios, já que ninguém paga propinas”
Texto com pequenas alterações e sublinhados da minha responsabilidade.

Pois é, os dinamarqueses, os suecos e os finlandeses têm muito que aprender com os orçamentos portugueses…
Por cá o dinheiro vai todo para pagar aos gatunos da Banca e para os  juros da dívida !!!

sábado, 18 de Outubro de 2014

CRÓNICAS De Dias de desespero


Um livro de memória,  escrever na pedra, registar no mármore  as crónicas do Público. O grito sábio de análise e revolta fica para a História, mas , sobretudo, para uma necessária História do presente e do futuro a construir. Persistência tenaz contra este poderoso e prolongado vórtice de degradação da Escola  Pública”, como escreve no prefácio o Luís Costa, merecem uma (re)leitura e análise atenta. Pois, se os dirigentes políticos que nos desgovernam utilizam a palavra, cada vez mais, para nos tentar ludibriar e enfraquecer na nossa capacidade  de luta, Santana Castilho mostra que a palavra, toda a palavra pode ser verdadeira, certeira e violenta contra a mentira , contra a acefalia e contra a dormência doentia e preocupante de quantos insistem em destruir as nossas vidas.
Mesmo para aqueles que nem sempre concordam com o professor Santana a sua  escrita apela ao pensamento, implica e convoca a reflexão e, em tempos de desespero, convocar a serenidade intelectual de livres pensadores será um registo de valor maior.
Na verdade, estamos perante um livro de caracteres  verdadeiros e de carácter. Como o próprio diz na introdução :
“ O livro perdura, vence o tempo e permite uma leitura conjunta do que foi atirado ao vento, momento a momento. Penso que há tempos que, para não serem esquecidos, porque não devem ser esquecidos, justificam que se fixe em livro o que se escreveu para jornal.
 É o caso dos últimos três anos, de massacre, cometido em nome de uma obrigação de Estado: pagar a dívida pública. Custasse o que custasse. Sem importarem os meios. Como se alguma moral justificasse que o pagamento da dívida pública prefira a outros deveres de um estado humano e civilizado (…) São farrapos de resistência, palavra em riste apontada aos desalmados,  estas crónicas de dias de desespero.”

LEIAM !

domingo, 21 de Setembro de 2014

Ousar Pensar


A não perder por nada!
Uma grande “Chapelada” para a Maria do Carmo, em relação ao que ela diz, só tenho dúvida numa coisa, não sei se os dirigentes a que se refere são estúpidos ou se querem fazer de nós estúpidos. Parece-me que eles sabem bem o que querem, "cá por baixo" é que reina a desorientação e a submissão. Resistiremos, obrigada, cara companheira…
Obrigatório ver e ouvir com muita atenção, e, já agora, enviem-no ao “Bonzo da estatística”, pode ser que aprenda alguma coisa.

sexta-feira, 12 de Setembro de 2014

Como ser feliz na escola. Parte 2 de 2.

Foto: L.Sérgio


Neste momento, as escolas portuguesas tal como a maior parte  na europa, transformam-se, aceleradamente, apenas e só, em “meros campos de treino para exames” e por inerência o professor passa a simples treinador de exames, o exame tudo regula e tudo determina. Os/as mais papistas que o papa gostam de acrescentar a isto uma  miríade de provas e “provazinhas” que não  servem para nada, a não ser satisfazer  e preencher os seus desejos mais recalcados de uma vida familiar e sexual vazia e frustrante. A psicologia, afinal, até parece que explica alguma coisa… Na verdade, é preciso, é importante preparar para os exames, mas a actuação intelectual, a estratégia de  ensino e do ensino do professor não pode, não deve limitar-se às visões muitas vezes estreitas e redutoras dos pontos de vista dominantes em toda a tralha produzida para orientar e formatar provas. É preciso que o professor alargue os seus horizontes e os dos seus alunos muito para além das visões pobres e fascistas emanadas da 5 de Outubro, expressas, por exemplo, nas inenarráveis metas curriculares que não têm outro objectivo que não seja : retirar ao professor e à escola toda e qualquer possibilidade de inovação e criatividade. A “funcionalização docente”tem múltiplas estratégias e não é só a despedir professores que se constrói um “não-professor”.
Rejeitando toda a parafernália burocrática que visa controlar e domesticar os professores impedindo-os de se a assumirem nas sua maior dimensão de pedagogos, o professor António Nóvoa está farto de dizer que, “É preciso voltar à pessoa do professor”. Concordo inteiramente com esta visão do docente, a da dimensão humana, a da vida vivida e  ensinada, o professor não existe para lá daquilo que é como pessoa, insistir nessa separação é uma falácia.
Podemos afirmar que nas escolas o que predomina na sua maioria, é o não – professor. Meus caros leitores e amigos isto não é provocação, é uma constatação, o estado zombie da classe é detectável a olho nu, sem necessidade de qualquer exame ou estudo. Senão, como  aceitar que o ministério e os seus apaniguados tenham feito “gato sapato” das escolas e dos professores. Houve boas  e fundamentais resistências temporais e pontuais, mas a verdade é que a inacção e a vontade dos grandes interesses têm-se sobreposto. A Dona Inércia, antes de chegar ao BES, há muito que se tinha instalado na maioria das nossas escolas.
            Espero muito sinceramente, que  este estado zombie, esta negação pela inércia de um das profissões mais importantes da nossa sociedade sejam provisórios . Desejo que os que almejam uma Escola Pública Democrática e Progressista, os que insistem em se assumir como PROFESSORES capazes de definir o seu próprio caminho, capazes de tomar posição e se assumir como pessoas pensantes e actuantes não desistam e que pela sua determinação e acção contagiem a maioria dos seus companheiros (até já me repugna usar a palavra colega).
            - Que fazer então?, dizeis.
            - Não posso, nem quero dizer mais, que cada um siga o seu caminho, analise a sua vida e a sua conduta na escola que muitos percebam a necessidade de mudar, de despertar para vida que vai num professor, pode fazer a diferença. Nada do que vos proponho é fácil, mas os interesses que estão em jogo, o convencional, nunca foram , nem serão fáceis de combater. Precisamos de  grandes doses de humanismo,   perseverança e imaginação para encontrarmos o(s)caminho(s).
            Mas, se ainda acreditam que o Ser Professor pode prevalecer sobre o Não-professor vale a pena fazer alguma coisa e não desistir e, sobretudo, lutar. E ,acrediteis ou não, aqui reside a diferença entre ser feliz ou um mero zombie que espera a morte. Pois, como muito bem escreveu em, Nova Teoria da Felicidade, o escritor e por ele professor e filósofo, Miguel Real, Serão Sempre felizes : “

“Aqueles que , em qualquer época ,buscam novas formas de existência, exploram alternativas  e anseiam por novas experiências de vida, não se
submetendo às formas institucionais de existência.”

(p. 165).


domingo, 7 de Setembro de 2014

Como ser feliz na escola.Parte 1 de 2

Foto : L.Sérgio
Voltar à escola !
Voltar à escola, mas voltar ao quê, com quê e para quê?
Será que ainda vale a pena?
Ainda sou professor, ainda há professores, na velha e justa definição daquele que ensina, que abre caminhos e é referência? Mas que posso fazer?
Nos últimos dias, com o aproximar de mais um ano lectivo, conversei demoradamente com alguns amigos sobre “esse lugar abandonado e sem dono” a que eufemisticamente continuamos a chamar escola.“ A escola é um paraíso perdido, uma miragem inacessível, perigosa e triturada por interesses avessos ao saber e à cultura.” Esta é hoje a minha definição de escola e,  para espanto de alguns dos meus companheiros de tertúlia de café, foi isto que defendi quando nos encontrávamos. Um dia destes, com tempo, com mais tempo e espaço, deixarei aqui algumas palavras em defesa da minha tese. O que me interessa para hoje não é isso, adianto apenas que tal concepção de escola ancora na sociedade e no poder reinante que domesticou e subjugou pela economia as maneiras de pensar e actuar. Tal como o poder mais geral, do  ministério que deveria ser da educação tem saído tirania, opressão e incultura. Os últimos ministros, sobretudo, “Milú” e “Incrato” cumpriram e este último cumpre, exemplarmente, diga-se de passagem, todo um programa de transformação da Escola Pública Portuguesa num grande espaço de subjugação e acefalia.Com toda a legislação publicada nos últimos anos, nas nossas escolas liquidou-se todo e qualquer espaço de autonomia, livre decisão e  independência, seja no aspecto pedagógico, administrativo ou financeiro. Tudo está prescrito, normalizado, formatado e robotizado, pegue-se, por exemplo, nas normas de vigilância de exames impostas às escolas, nas homilias que acompanham a sua divulgação e no acto em si e conclui-se que o professor foi rebaixado à condição de cão de guarda. Para as Milús e para os Incratos deste país a condição de professor é a de mero “Robô” programado e obediente, por isso, quanto mais desempregados e contratados houver , melhor, mais se assegura e acentua a obediência cega e calada. Que o “Incrato” dava um bom ministro de Salazar já todos percebemos, tivesse ele nascido uns anos mais cedo e “Outro galo cantaria”,  o seu ar seráfico e as falinhas mansas de prestidigitador fariam dele escolha certa e certeira para amanuense do António de Oliveira. De qualquer modo, pela a sua dedicação à causa dos grandes interesses financeiros, ainda vai a tempo de ser canonizado. Chegados aqui, vai sendo tempo de tentar responder às perguntas inicias, são estas que me interessam, é a condição e o papel do professor na escola actual que me interessa, por agora.
Vale a pena? Na verdade penso que vale a pena, um dos meus companheiros diria, “nem que seja para sobreviver.”
 Temos que fazer mais que sobreviver. É esta a  minha tese. “Jogar” para sobreviver é perder, é fácil, é barato  e dá serventuários do poder sem carácter e sem ideias, sem criatividade e sem capacidade para a competência, para a vida. É preciso experimentar o novo, o belo, e tudo o que de melhor há na cultura e no saber, nem que para isso tenhamos de enfrentar o poder, os poderes e as suas tenebrosas ramificações, não é fácil, mas o contrário é recusar-se a uma vida digna. O professor tem de sair da fila, deve ousar e ser capaz de pensar e agir diferente. O livre pensamento e cidadania praticam-se não se apregoam.Como pode um professor de literatura ensinar novas formas de interpretar e compreender se se limitar a aplicar a  aceitar como justas interpretações prescritas por outros. Como ensinar liberdade de ler se o professor for modelo de subjugação e mero papagaio de outros. E isto aplica-se a todas as disciplinas.
            O mal da condição do professor, nos tempos que correm, radica sobretudo na incapacidade de muitos docentes perceberem qual o seu papel na escola, aceitam, alguns por incapacidade, outros medo, outros/outras ,por pura sabujice e necessidade de palco para as suas nefastas fogueiras de vaidades, com as quais preenchem o vazio mental e das suas vidas, agir como zombies, sem qualquer vislumbre de ideal pessoal ou colectivo. É triste, muito triste, por estes dias observar a forma como se comportam algumas doninhas fedorentas, a vilaneza dos sem carácter é o seu lema de vida. Tais “coisas” servem todos os poderes, por mais antagónicos que eles sejam. Das “enguias” que vou conhecendo e dos males que fazem à educação falarei um dia destes. Com tempo, com oportunidade e estratégia certa conseguiremos exterminar algumas.
            Para voltar à escola em sossego e em estado de graça, a primeira coisa que o professor precisa de conhecer, para assumir conscientemente o seu papel, é que na escola não há lugar à neutralidade (aliás isso nunca foi possível), por mais que lhe custe, que nos custe, é preciso tomar posição, sair do conforto do ”ver onde param as coisas”, esta posição destrói tudo o que se almeja como ideais de escola.
Hoje, mais do que nunca, estão em confronto duas concepções de escola e duas concepções de professor: de um lado a escola dos grandes interesses financeiros privados e do outro a escola pública e democrática, que se quer e  se deseja de qualidade. Cada uma destas frentes tem a sua ideia de professor, para a primeira, a dominante, o professor não faz falta, é preciso abatê-lo, é um elemento perigoso porque pensa e pode ensinar a pensar. O seu ideal de professor é então um não-professor, basta-lhe um simples e medíocre funcionário, nem precisa de ser público, que de forma rotineira e obediente  transmita fielmente tudo o prescrito nas mil e umas normas, programas, manuais, grelhas e grelhados que o macrocéfalo MEC  obedecendo à classe que serve vai congeminando. É a escola do professor neutro (ou que se julga como tal) do acéfalo, do não-professor formatado à medida, com prazo  e a prazo. A outra aspira por alguém completamente diferente, deseja um professor capaz de pensar por si próprio, reflexivo, com vida própria, uma pessoa com afectos e sentimentos, capaz de ensinar a pensar, a reflectir, a olhar para vida privilegiando o elemento humano e todas as formas de valorização das pessoas que “moram nos alunos”.
Ora se o professor não quer ou não poder ser neutro deve saber a que escola regressa e o que pode e deve fazer nela, e pode muito se quiser e tiver engenho e arte para tanto.
  Chegado aqui, o PROFESSOR já sabe, o que tem a sorte de saber, a que Escola regressa. Se não há lugar à neutralidade, à abstenção, resta-lhe escolher o seu próprio caminho. Escolher e fazer o próprio caminho parece-me condição necessária e indispensável para um  regresso à escola sem medos e sem angústias. Muitas vezes, escolher e desbravar novos caminhos, não é nada fácil, ousar mudar de direcção quando o rebanho sem tugir nem mugir segue ordeiramente pode trazer-nos grandes dissabores, causar invejas e trazer adversidades que não esperávamos, mas, o prazer de manter o carácter e a honestidade intelectual lutando firmemente é muito superior a todas as baixezas da manada.
 ( Continua )

quarta-feira, 23 de Julho de 2014

Autocracia e estupidez



Garcia Pereira na ETV :

“ Esta prova é uma palhaçada …
 isto serve para tudo menos avaliar, serve para justificar mais desemprego dos professores.
… O ministro da educação é que deveria ser e teria um mau ou medíocre menos  no mínimo.
… Projecto deste ministro da educação : acabar com o sistema educativo em Portugal.
…Escolas escolhidas a dedo.
Esta prova é uma farsa, é inaceitável, exercício de poder autocrático e estúpido...”

terça-feira, 10 de Junho de 2014

Aluno inteligente.

Felizmente há alunos que nos vão surpreendendo pela positiva. Exame de português , 4ºano - 2014.